W RUN THE FINISHER NUTRIÇÃO TREINO SABER VIVER PRODUTOS VÍDEOS FOTOS CALENDÁRIO BLOGS FÔLEGO

CONTEÚDO EXCLUSIVO

Insira seu email abaixo e clique em "Enviar". Você receberá sua senha no email indicado.
Email:

Entre com o seu cadastro do Sua Corrida.

Email:
Senha:
OU

Ainda não é usuário do nosso conteúdo exclusivo?

Saia do asfalto no fim de semana

Alternar os tipos de piso garante mais desempenho com menor risco de lesões

Por: Daniel Braz - São Paulo - 06/06/2014
Compartilhe
Foto: Thinkstock.

Foto: Thinkstock.

Correr na esteira ou no asfalto, que são os pisos mais comuns, é indicado e muito eficaz. Mas você já pensou em dar as suas passadas em uma estrada de terra ou na grama? O trabalho em diferentes terrenos traz inúmeros benefícios – você sai da rotina, varia o estímulo, melhora o rendimento e pode até acelerar a perda de peso.

Mudar o ambiente de treino não é tarefa das mais difíceis. De acordo com André Pedrinelli, ortopedista e traumatologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, se você está acostumada a correr no asfalto, por exemplo, não terá problemas na musculatura com a passagem para terrenos mais irregulares. “Como as principais estruturas envolvidas no movimento da corrida já estão bem recrutadas, dá para trocar de solo sem medo”, garante.

Como fazer a transição

No entanto, alguns cuidados devem ser tomados para que a performance não seja muito alterada – e também para evitar acidentes e lesões. Quem corre há pouco tempo deve começar pelos terrenos tradicionais. “A maneira mais segura é iniciar com trotes na esteira, depois passar para a rua e só em seguida encarar grama plana e areia. Percursos com pedras e trilhas de solo misto devem ficar por último”, avisa Pedrinelli.

E mais: do mesmo jeito que não é bom você iniciar na corrida em solos com desnível, abandonar de vez os pisos mais firmes e planos também não é recomendado. Afinal, a esteira proporciona um ótimo amortecimento de impacto e o asfalto é ideal para treinos de velocidade.

“Além disso, correr sempre em superfícies macias pode alterar sua percepção de esforço e, na hora da prova, há o risco de ficar sem noção de ritmo”, aconselha o treinador Ricardo Sartorato, coordenador-técnico e treinador da equipe Filhos do Vento, do Rio de Janeiro.

Benefícios garantidos

Portanto, a ordem é alternar as superfícies e aproveitar o que cada uma oferece de melhor.

Mas isso não quer dizer que você precisa trocar todos os dias de terreno. “Se fizer um treino por semana em piso mais macio, já vai notar resultado. Esse tipo de solo ajuda na recuperação muscular e na prevenção de lesões sem comprometer o rendimento”, diz Julyana Ferro, coordenadora-técnica da Stark Assessoria Esportiva, de Fortaleza (CE).

E as superfícies menos rígidas ainda garantem outros ganhos. “Correr na grama, por exemplo, proporciona baixo impacto, mas é preciso estar atenta a buracos e tocos que podem estar escondidos no meio da vegetação”, acrescenta Julyana. Ela recomenda que, se o percurso for confiável, vale a pena você fazer rodagens curtas descalça, para fortalecer a musculatura dos pés.

Outro tipo de terreno que proporciona inúmeras vantagens é a areia fofa. Por ser instável e aderente, melhora a propriocepção, fortalece as estruturas do tornozelo e intensifica o trabalho muscular, recrutando a musculatura profunda. “O percurso na areia da praia acaba funcionando como um tipo de fortalecimento articular e muscular. E, como você é obrigada a fazer muito mais esforço, o gasto calórico é maior, o que ajuda bastante no emagrecimento”, conclui Ricardo Sartorato.

perfil-terreno-1perdil-terreno-2

 

Obrigado por avaliar esta matéria.
8 pessoas deram uma medalha para esta matéria.
Esta matéria merece uma medalha?
Compartilhe

MATÉRIAS relacionadas

NOSSOS BLOGS

TAGS
NEWSLETTER
EVENTOS
próximo evento VENUS 15K RJ 09 DE OUTUBRO