W RUN THE FINISHER NUTRIÇÃO TREINO SABER VIVER PRODUTOS VÍDEOS FOTOS CALENDÁRIO BLOGS FÔLEGO

CONTEÚDO EXCLUSIVO

Insira seu email abaixo e clique em "Enviar". Você receberá sua senha no email indicado.
Email:

Entre com o seu cadastro do Sua Corrida.

Email:
Senha:
OU

Ainda não é usuário do nosso conteúdo exclusivo?

Hérnia abdominal em mulheres

O incômodo costuma ser confundido com doenças ginecológicas, o que dificulta a identificação do problema e o tratamento adequado

Por: Chris Biltoveni - São Paulo - 11/11/2013
Compartilhe
Foto: Thinkstock.

Foto: Thinkstock.

Quando uma mulher se queixa de dores abdominais, o problema vai muito além do incômodo. Afinal, o diagnóstico é complicado: pode ser mioma, endometriose, cistos ovarianos, complicações de cirurgias pélvicas anteriores… Com tantas possibilidades, a suspeita, quase sempre, passa longe de uma hérnia – principalmente porque hérnias abdominais são consideradas um problema que aflige principalmente os homens (as mulheres representam apenas cerca de 8% dos casos de hérnias diagnosticados nos Estados Unidos). “Além disso, muitas vezes, as mulheres não exibem o inchaço característico de uma hérnia, tornando o diagnóstico ainda mais difícil”, diz o cirurgião Silvio Gabor, professor assistente de cirurgia geral e do trauma na Faculdade de Medicina da UNISA, em São Paulo.

A hérnia abdominal ocorre quando as camadas da parede dessa região enfraquecem e, em seguida, rasgam-se e formam uma passagem pela musculatura, um “buraco”, que é conhecido como anel herniário. Isso faz com que o revestimento interior do abdômen forme um saco. Uma porção do intestino ou de outro tecido abdominal pode entrar nesse saco, causando dor e outras complicações. O sinal mais comum e perceptível é uma saliência na virilha ou na área abdominal. Porém, esse sintoma pode ser tão leve em algumas mulheres que passa despercebido. “As hérnias nas mulheres frequentemente são minúsculas e internas, razão pela qual são frequentemente confundidas com outras condições”, observa Gabor.

Causas mais comuns
O problema pode ser congênito, resultado de uma cirurgia ou aparecer de repente. Levantar objetos pesados, fazer muito esforço durante as evacuações, obesidade, tosse crônica ou espirros e até mesmo a gravidez podem contribuir para o aumento do risco de hérnias. Para prevenir, a recomendação dos especialistas é manter um peso saudável, comer alimentos ricos em fibras para evitar constipação, não realizar esforço físico intenso e não fumar.

Corpo de mulher
A dor da hérnia, muitas vezes, é pélvica, ocorre em torno dos ovários. Já a dor de uma hérnia oculta pode ser descrita como uma dor aguda na vagina, ao redor do quadril e nas costas, nos flancos e nas coxas. “As mulheres também podem se queixar de dor durante as evacuações, quando a bexiga está cheia, durante as relações sexuais ou no período menstrual. Essa dor pode piorar com o exercício físico, longos períodos em pé ou sentada, elevação, flexão, risada, tosse, subida de escadas ou qualquer outro movimento que aumente a pressão sobre o abdômen”, acrescenta Gabor.

São essas dores adicionais que confundem o quadro e, muitas vezes, levam a um diagnóstico de problemas ginecológicos – e a tratamentos frustrados. “Encontrar hérnias escondidas em mulheres só é possível por meio do exame clínico, mesmo com todas as ferramentas sofisticadas à disposição, como ultrassom, tomografia e ressonância magnética”, comenta o médico.

Tratamento cirúrgico
Uma vez que a hérnia é diagnosticada e identificada, a dor pode ser controlada com medicamentos até o momento da cirurgia. A herniorrafia ou hernioplastia é a cirurgia que visa corrigir o defeito na musculatura e/ou aponeurose (capa que reveste os músculos) que causa o aparecimento da hérnia abdominal. A técnica consiste no fechamento do anel herniário por meio de pontos cirúrgicos ou da colocação de tela. “Essa tela é como uma rede feita de material orgânico, sintético ou ambos que tem como objetivo o fechamento do defeito e a formação de tecido cicatricial mais espesso e resistente que o tecido que se formaria sem a colocação da tela”, explica Gabor. Esse tecido formado com a tela reduz o risco de reincidência do problema.

 

Os tipos de hérnias
Elas são classificadas de acordo com a localização. Veja aqui as mais comuns:

Epigástrica: aparece na linha média entre a cicatriz umbilical e o apêndice xifoide (osso que se palpa logo acima da “boca do estômago”).

Umbilical: aparece na cicatriz umbilical ou ao redor dela. Pode aparecer após o nascimento ou após a gestação, devido ao grande aumento do volume do abdômen.

Inguinal: aparece logo acima da virilha, em um ou nos dois lados. Mais comum em homens, pode descer até o testículo, sendo conhecida por hérnia inguino-escrotal.

Femoral ou crural: aparece logo abaixo da virilha, na porção mais alta da coxa. Mais comum em mulheres.

Incisional: aparece em um local onde há cicatriz de cirurgia anterior e não houve cicatrização adequada dos músculos. Cirurgias de urgência são causas comuns de hérnias incisionais.

Obrigado por avaliar esta matéria.
369 pessoas deram uma medalha para esta matéria.
Esta matéria merece uma medalha?
Compartilhe

MATÉRIAS relacionadas

NOSSOS BLOGS

TAGS
NEWSLETTER
EVENTOS
próximo evento VENUS 15K RJ 09 DE OUTUBRO