W RUN THE FINISHER NUTRIÇÃO TREINO SABER VIVER PRODUTOS VÍDEOS FOTOS CALENDÁRIO BLOGS FÔLEGO

CONTEÚDO EXCLUSIVO

Insira seu email abaixo e clique em "Enviar". Você receberá sua senha no email indicado.
Email:

Entre com o seu cadastro do Sua Corrida.

Email:
Senha:
OU

Ainda não é usuário do nosso conteúdo exclusivo?

Diabetes e corrida: dicas para treinar sem problema

Com a alimentação e os cuidados certos, pessoas com a doença podem praticar o esporte e garantir muitos benefícios para a saúde

Por: Juliana Mesquita - São Paulo - 28/04/2017
Compartilhe

Diabetes e corridaCaracterizado pela falta de produção de insulina pelo pâncreas (tipo 1) ou pelo aproveitamento inadequado do hormônio (tipo 2), o diabetes atinge cerca de 13 milhões de pessoas no Brasil, de acordo com a Federação Internacional de Diabetes.

O problema, que pode aparecer em qualquer fase da vida, tende a gerar sérias consequências à saúde, caso não seja tratado: rins, olhos e sistema nervoso podem ser afetados. Em contrapartida, quando se adota bons hábitos, como a prática de atividades físicas aliada a uma boa alimentação, é possível ter uma vida longa e saudável. E a corrida é uma grande aliada para isso!

Na maioria das vezes, a modalidade entra na vida da pessoa com diabetes apenas como uma maneira de controlar a doenças, mas se torna uma paixão. Porém, para que a diabética não sofra com inconvenientes durante treinos e provas – como a hipoglicemia (baixo nível de açúcar), que gera sintomas como tontura e confusão mental – é importante ter um planejamento e orientação de especialistas.

MAIS 
A corrida é um ótimo remédio contra a depressão     
Suar muito no treino queima gordura?
Thaís venceu o câncer e o lúpus com ajuda da corrida

Acompanhamento nutricional
Seja antes dos treinos, seja no dia a dia, a alimentação de pessoas com diabetes deve conter carboidratos de baixo e médio índice glicêmico (IG): pães e grãos integrais, batata-doce, mandioquinha e algumas frutas (maçã, pera, melão, morango). “Eles ajudam a evitar uma possível hipoglicemia e a garantir um bom rendimento no exercício”, destaca Alan Tiago Scaglione, nutricionista da Estima Nutrição, em São Paulo. Já alimentos de alto IG, como doces em geral, refrigerantes, pães e massas refinadas e sucos industrializados, devem ser evitados para não elevar a glicemia.

Durante a corrida
Em atividades com mais de uma hora de duração, é necessário consumir alimentos ou suplementos para evitar a hipoglicemia, como o gel de carboidrato. “Também deve ser feito o uso de repositores hidroeletrolíticos para recompor os minerais perdidos durante a corrida”, lembra Alan. De acordo com o nutricionista, é importante averiguar a glicemia a cada 30 minutos de exercício para evitar qualquer surpresa desagradável. Após a corrida, também é necessário ingerir carboidratos de baixo e médio índice glicêmico para repor as energias.

Check-up necessário
Antes de começar a correr ou encarar qualquer esporte intenso, é muito importante  que a pessoa com diabetes consulte o endocrinologista. Dependendo do caso, pode haver algumas restrições para o paciente. “Nível muito elevado de açúcar na corrente sanguínea contraindica a atividade física intensa. Além disso, é necessário passar por uma avaliação laboratorial e por exames que permitam avaliar o risco de infarto, como o teste ergométrico”, frisa Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

6 dicas para correr sem problema!
O endocrinologista Renato Zilli e o médico do esporte Fellipe Savioli indicam alguns cuidados para pessoas com diabetes evitarem a hipo ou a hiperglicemia (alto índice de açúcar no sangue) em treinos e provas. 

– Cada caso é individual. Por isso,  é importante a parceria entre paciente, médico, treinador e nutricionista para adaptar as medicações (principalmente a insulina), dieta e exercícios.

– Em treinos e provas longas, o ideal é monitorar a glicose a cada 30 minutos. “Uma excelente opção para isso são os medidores contínuos de glicemia, que possuem patches que a pessoa coloca na região posterior do braço. Eles enviam de minuto em minuto o nível de glicemia do sangue, sem a necessidade de ficar furando o dedo para fazer o teste. O medidor conseguirá trazer informações muito valiosas, para planejar com maior eficiência o melhor momento para administrar as medicações”, explica Savioli.

– A atividade física prolongada pode levar à hipoglicemia tardia. Então, alimentar-se depois da corrida é muito importante.

– A Associação Americana de Diabetes recomenda a ingestão de carboidratos de 2 mg a 3 mg/kg/min durante treinamentos leves e de 5 mg a 6 mg/kg/min em atividades extenuantes. Alguns estudos propõem que o consumo de carboidratos para pacientes com diabetes seja de 15 g a 30 g a cada 30 minutos em exercícios prolongados (com mais de uma hora).

– Durante a corrida, a meta é manter a glicemia maior que 110 mg/dL. Se estiver menor, aposte nos carboidratos de baixo, médio ou até alto índice glicêmico (conforme indicado por seu médico e nutricionista) para elevar o açúcar no sangue. Caso esteja maior que 250 mg/dL, é recomendado suspender a atividade física.

 

Obrigado por avaliar esta matéria.
11 pessoas deram uma medalha para esta matéria.
Esta matéria merece uma medalha?
Compartilhe

MATÉRIAS relacionadas

NOSSOS BLOGS

TAGS
NEWSLETTER
EVENTOS
próximo evento VENUS 15K RJ 09 DE OUTUBRO