W RUN THE FINISHER NUTRIÇÃO TREINO SABER VIVER PRODUTOS VÍDEOS FOTOS CALENDÁRIO BLOGS FÔLEGO

CONTEÚDO EXCLUSIVO

Insira seu email abaixo e clique em "Enviar". Você receberá sua senha no email indicado.
Email:

Entre com o seu cadastro do Sua Corrida.

Email:
Senha:
OU

Ainda não é usuário do nosso conteúdo exclusivo?

6 mitos e verdades sobre a soja

Consumo do grão pode ajudar na prevenção de cânceres e doenças cardiovasculares

Por: Olavo Guerra - São Paulo - 01/10/2015
Compartilhe
soja

Foto: Thinkstock

O Brasil é o segundo maior produtor de soja no mundo. São cerca de 30 milhões de hectares plantados – que geram mais de 85 milhões de toneladas do grão. Para pessoas que não se alimentam de carnes, a soja pode ser um excelente substituto para suprir a necessidade proteica diária de uma pessoa – sobretudo se a pessoa pratica algum tipo de atividade física, como a corrida.

VEJA MAIS:
6 dicas para manter o coração sempre saudável
Excesso de soja pode acarretar problemas de saúde
Proteína de arroz: o whey protein dos veganos

Contudo, há uma série de perguntas que as pessoas fazem sobre este alimento. Por isso, baseada em artigos científico, a nutricionista esportiva Alessandra Luglio, da P4B Personalized Health, preparou uma lista com seis mitos e verdades sobre a soja. Veja:

1. A qualidade proteica da soja é inferior à das proteínas animais, pois ela não tem todos os aminoácidos essenciais.

MITO

A proteína presente na soja tem alto valor biológico, o que significa que ela é, sim, completa ­– com todos os aminoácidos essenciais. O índice que mede a qualidade das proteínas é chamado PDCAAS. Ele varia entre 0 e 1, sendo que as proteínas de alto valor biológico são os que apresentam PDCAAS maior do que 0,8. O valor da soja é 1 – nível máximo –, que é o mesmo da albumina, presente no ovo, por exemplo.

2. A soja ajuda a prevenir doenças cardiovasculares.

VERDADE

A proteína de soja ajuda a reduzir os níveis de colesterol no sangue – um importante fator de risco para a doença arterial coronariana. A Associação Americana do Coração (American Heart Association) reconheceu os alimentos feitos com o grão por seu papel em uma dieta saudável para o coração e, hoje em dia, autoridades de vários outros países reconhecem também esses benefícios.

Aqui no Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) considera a proteína de soja como um nutriente com propriedades funcionais e de saúde, recomendando um consumo diário mínimo de 25g para ajudar na redução do colesterol. A entidade indica este consumo aliado a uma dieta equilibrada e hábitos saudáveis de vida.

3. A soja contém fatores antinutricionais – conhecidos como fitatos – e inibidores de proteínas, que reduzem a absorção de vitaminas e minerais pelo organismo.

MITO

As leguminosas, como a soja, feijão e lentilha, contêm vários componentes que, tradicionalmente, têm sido considerados como antinutrientes – inibidores de tripsina e fitatos. De fato, inibidores de tripsina podem interferir na digestão de proteínas. No entanto, o aquecimento das leguminosas reduz o teor desses compostos de 80% a 90%. Portanto, não há motivos para pensar que quantidade destes compostos, obtidos pela ingestão de quantidades equilibradas de leguminosas, poderia causar quaisquer efeitos adversos em humanos.

Já os fitatos têm sido relacionados com a diminuição da biodisponibilidade de alguns minerais. Contudo, estudos sugerem que, em média, a concentração de fitato em leguminosas é entre 1% e 2%. E, apesar de efeito do fitato na redução da biodisponibilidade de minerais, também tem sido evidenciado que o ácido fítico pode desempenhar um papel na redução do risco de cânceres, possivelmente por causa de seus efeitos antioxidantes.

4. O consumo regular de soja por homens pode aumentar características físicas femininas.

MITO

Não existem dados clínicos que forneçam suporte para afirmar que a ingestão da soja proporciona esses efeitos no homens. Este mito surgiu por conta do relato de dois casos que descrevem estes efeitos associados com o consumo exagerado de soja.

Nas duas situações, os homens relatam terem ingerido 360 md/g de isoflavonas (presente no grão) por dia, o que representa, aproximadamente, 14 a 20 porções de soja em menos de 24 horas! Isso é muito mais do que os japoneses, maiores consumidores no mundo, ingerem. Não é aconselhável o consumo de qualquer alimento de forma excessiva.

Dentro de uma quantidade controlada, a soja pode reduzir o risco de um homem sofrer câncer de próstata.

5. As isoflavonas podem contribuir para a prevenção do câncer de mama.

VERDADE

Uma recente meta-análise em estudos epidemiológicos asiáticos constatou que a maior ingestão de soja foi associada com a redução de 29% do risco de câncer de mama. Ainda, há evidências que o consumo do grão deve ocorrer durante a infância ou adolescência para promover este benefício.

6. As isoflavonas podem interferir na regulação hormonal e no funcionamento da tireoide.

MITO

Uma ampla revisão, publicada em 2006, que incluiu 14 pesquisas, concluiu que há poucas evidências de que as isoflavonas da soja podem afetar adversamente a função da tireoide em homens e mulheres saudáveis. Mais estudos já foram publicados desde então e todos seguem esta mesma linha.

O que pode acontecer é que uma pessoa com hipotireoidismo precise diminuir o consumo de soja, pois a proteína do grão interfere na absorção da medicação indicada para o tratamento do problema – assim como alguns tipos de ervas, medicamentos e suplementos de fibras.

Com o acompanhamento de um médico e de um nutricionista, o consumo de soja pode continuar para pessoas com hipotireoidismo – exceto lactentes com hipotireoidismo congênito.

Obrigado por avaliar esta matéria.
11 pessoas deram uma medalha para esta matéria.
Esta matéria merece uma medalha?
Compartilhe

MATÉRIAS relacionadas

NOSSOS BLOGS

TAGS
NEWSLETTER
EVENTOS
próximo evento VENUS 15K RJ 09 DE OUTUBRO